Histórias da high capixaba IX

Social

Tudo começou quando um senhor de quase 70 anos bateu à porta da casa da então deputada FATIMA COUZI para um pedido inédito:
- Deputada, estou aqui para, pelo amor de Deus, a senhora comprar um remédio para mim!
- Pois não. Qual é o remédio?
- VIAGRA.
- Como?
- É deputada, já não tenho mais prazer na minha vida. Há muito tempo o “BILAU” anda triste e já me contaminou. Um amigo me disse que esse remédio é tiro e queda. Preciso voltar a sorrir.
Fátima entendeu o drama, pegou o telefone e ligou para a farmácia para saber quanto custava:
- Noventa e oito reais.
Perplexa, pediu desculpas e alegou que realmente não teria como comprar.
Quando o senhor foi embora, veio a ideia de criar uma lei obrigando a doação do remédio para os velhinhos. Se dão remédio para outras doenças, por que não para aquele com capacidade de trazer alegria, prazer?
Na Assembleia, sofreu os maiores deboches dos colegas. Até o colega deputado JOSÉ TASSO se animou:
- Se a lei é para beneficiar os com idade de 60 anos ou mais, já agradeço, pois estou com 61.
No outro dia, os jornais deitaram e rolaram. Logo cedo, encontrei com ela na inauguração de um shopping e não se falava em outra coisa. Perguntei:
- Deputada, está mesmo procurando um novo amor? 
- Sim, meu querido! E, como sabe, a lei ampliará candidatos com o gigante adormecido pelo tempo.
E o projeto ficou conhecido como “MATA o VÉIO”, mas, a deputada, a idealizadora, preferiu denominar como “SALVE UM HOMEM”.
É, faz sentido. Como diria o saudoso Sérgio Caseira: "Sacratíssimo coração de Jesus!!!" Quá... Quá... Quá...

COMPARTILHE:


Faça seu login e comente essa matéria