CLASS

 


   
  Esqueci minha senha | Ainda não sou assinante    

CLASS/MATéRIA

MILAGRE EM PASSADOURO

A brilhante empresária Lúcia (Xuxu) Murad Neffa agitará a Ilha, mais uma vez, no dia 8 de maio, nos salões do Centro de Convenções de Vitória, quando lançará o seu segundo livro - MILAGRE EM PASSADOURO. A primeira obra – Sete Pecados Empresariais -, foi um sucesso e fala de suas experiências no ramo dos negócios. Agora, seu segundo livro, um romance, tem como personagens três devotos, de diferentes posições comportamentais, que querem transformar uma cidade onde todos passam, mas nunca ficam, num local de turismo efervescente.
O desenrolar da história é fértil de situações e percalços divertidos, onde se pode dizer haverem sido experienciados ante nossos olhos, motivando o leitor até o finzinho a descobrir por conta própria o remate da trama. Sem dúvida, será mais um best-seller e o lançamento reunirá a high capixaba em noite cultural como poucas vezes acontece aqui. Xuxu é de uma competência que desconhece a palavra FRACASSO. Sucesso, lá vai ela!
SOBRE A AUTORA: Lúcia (Xuxu) Murad Neffa, filha mais nova de uma família tradicional libanesa em Vitória do Espírito Santo, é contadora e empresária. Nas horas de sobra, nunca deixou de se ocupar num exercício qualquer que lhe possibilitasse aprender. Afinal, aprende-se a vida toda. Estudando a língua portuguesa nos seus encantos, daí lhe veio a vontade de servir-se e de servi-la, a amada língua, fazendo algo por honrá-la. É então que surge a vontade de criar: de escrever um livro. O primeiro foi editado para narrar suas experiências no ramo dos negócios e que teve por nome Sete Pecados Empresariais (2015).
O prurido da descoberta, da revelação de que era mesmo capaz de inventar – não de fantasiar, mas de inventar no sentido próprio de urdir a trama – fê-la encorajada para enfrentar mais este desafio: o de endereçar-se no campo da literatura, dando a lume este romance de estreia: Milagre em Passadouro, onde se relata a maquinação ilícito-religiosa de três devotos que, corrompidos num objetivo comum, se lançam nas brechas da contrafação, com um plano infalível de fazer duma pacata cidade um local de turismo efervescente. Não faltaram aos protagonistas empenho e arte no transmudarem suas práticas imorais em licitude a fim de se fazer do vício virtude.
Por Carlos Laet de Oliveira - Professor Universitário

 

 



« VOLTAR

Deixe seu comentário