CLASS

 


   
  Esqueci minha senha | Ainda não sou assinante    

CLASS/PANORAMA DIGITAL

TEMPO DEMAIS NO TABLET OU CELULAR PREJUDICA COGNIÇÃO DAS CRIANÇAS

A ciência acaba de dar mais um bom motivo para limitar o tempo que as crianças passam em frente às telas. De acordo com um estudo publicado recentemente no periódico cientí­fico The Lancet Child & Adolescent Health, usar dispositivos eletrônicos — incluindo celulares, ta­blets e computadores — por mais de duas horas diárias prejudica o desen­volvimento cognitivo dos pequenos.
O motivo? “Cada minuto gasto em frente às telas equivale a um minuto a menos de sono ou de atividades cog­nitivamente desafiadoras”, escreveu Eduardo Esteban Bustamante, pesqui­sador da Universidade de Ilinois, nos Estados Unidos, em um editorial que acompanhou o estudo.
Para reduzir os riscos, os pesquisadores do Instituto de Pes­quisa do Hospital Infantil de Eastern Ontario, no Canadá, re­comendam que os pais e responsáveis limitem a, no máximo, duas horas por dia o tempo ocioso que crianças com idade de 5 a 13 anos usam esses dispositivos.
Para chegar a essa conclusão, o estudo avaliou os hábitos de cerca de 4.500 crianças americanas, com idade entre 8 e 11 anos. Os resultados mostraram que a minoria das crian­ças cumpria todas as diretrizes recomendadas para a infân­cia, como dormir de nove a onze horas por noite, praticar pelo menos sessenta minutos de atividade física por dia e usar dispositivos eletrônicos por no máximo duas horas por dia.
As crianças também foram submetidas a testes cognitivos, que avaliaram a função executiva (habilidades mentais con­troladas pelo lobo frontal do cérebro que ajudam as pessoas a executarem tarefas de forma planejada), atenção, memória temporária, memória episó­dica e velocidade de linguagem e pro­cessamento.
Um estudo anterior, publicado na JAMA Pediatrics, mostrou que o sono é fator importante durante o desenvol­vimento de crianças e adolescentes. Segundo a pesquisa, menos horas de sono podem afetar o humor e aumen­tam os riscos de comportamentos perigosos, incluindo auto­mutilação em jovens.
“Acho que minha mensagem para os pais é que (o sono) é uma prioridade e fará uma enorme diferença na vida, no de­sempenho, no humor e no comportamento de seus filhos. Minha experiência, minha impressão, é que é algo que ainda precisamos priorizar como pais, assim como o que fazemos com outras coisas que sabemos que são insalubres para as crianças”, comentou Reut Gruber, do Instituto Universitário Douglas para Saúde Mental, no Canadá, à CNN.



« VOLTAR

Deixe seu comentário