CLASS

 


   
  Esqueci minha senha | Ainda não sou assinante    

CLASS/TERRY

O RELÓGIO MARCA 35

No findar de mais um ciclo, ocasionando o início de outro, fazer um balanço é sempre interessante e inevitável. E não basta olhar para o próprio umbigo, como a maioria insiste em viver; a gente é parte do mundo e ele de nós. E isso nem sempre felizmente! Nos últimos tempos, o meu casamento com o mundo, pesando os prós e contras, teria grande probabilidade de acabar em divórcio. Escolheria viver a solteirice, onde, geralmente, optamos apenas pelo que nos agrada. E assim, nesse novo mundo-relação, minhas fronteiras seriam reduzidas, mas com terrenos tão mais floridos, ensolarados, com mar azul em vários tons, ecoando gargalhadas desmedidas e sem pudor, abraços apertados, num roteiro encantador em cada centímetro, ao lado de gente de verdade: meus amantíssimos Jorge, Cidinho, meus pais, meus irmãos e poucos amigos e pessoas que admiro.
Mas, o relacionamento com o mundo realmente é até que a morte nos separe! Minha amiga Jeanne Bilich, provavelmente, discordaria completamente! E se fez prova de que nosso mundo e o mundo todo podem sim viver in love. Depende apenas de nossas escolhas. E quem disse que é fácil? É preciso uma busca incessante de autoconhecimento e muita maturidade. E no tic-tac dos meus 35 anos estou longe dessa plenitude. O meu terreno-vida ainda será palco de muitas lutas, vitórias e derrotas para, se Deus quiser, um dia atingir o meu tão sonhado espaço  daquele tal novo mundo-relação. Parte dele já tem todos aqueles encantos e é exatamente ele que perfuma os meus dias, oxigena a minha alma, me encoraja e faz crer que não será difícil extirpar as ervas daninhas e suas pestes escolhendo bem novas sementes para plantar com amor, as regando na medida certa, nessa terra aparentemente ruim.
O nosso solo-existência é perfeito. Nós é que muitas vezes nos descuidamos e permitimos que coisas que não deveriam cresçam ali, por inocência, desconhecimento ou burrice mesmo. Então, mãos à obra! Enxada, pá e regador na mão para lavorar rumo aos 36, por um terreno tipo paraíso.



« VOLTAR

Um Comentários

  1. Luciana disse:

    Parabéns pelo texto! Palavras sábias ,de grande sensibilidade. Que DEUS lhe cumule de bençãos e permita que sua nova primavera seja brindada com uma ” safra” muito especial. Abraços, Luciana

Deixe seu comentário